segunda-feira, 29 de maio de 2017

É


não precisa de rima, 
mas deve ser música,  
nem sempre ser lúdica 
e nem deixem ser pudica! 
 

a não ser que o pudor 
esconda um clamor 
(de amor ou de dor) 


é um ver, 
é notar, contemplar 
importante é mirar 
(e pirar, quem sabe) 

  
importante é dizer, 
com dor, calor, sem cor, 
sem viço...  
dizer vazio ou cheio de tudo 


ainda que se veja com tato,  
(ainda que esteja falando  
de um sapo) 


hoje ela existe o tempo todo, 
pra quem sofre,  
pra quem morre... 


existe  
pra quem é agredido pelo belo,  
pra quem sente o elo 
pra quem goza de viver 
e até mesmo de não saber. 


é lâmina, 
é pó de vidro. 


poesia sempre é. 


de quem vê  
a perfeita desordem; 
para quem olha  
um prego no chão, 
um lápis na mesa  
ou uma mosca varejeira. 

poesia hoje. amanhã quem sabe?

sábado, 27 de maio de 2017

Revisão

rabisco versos que nunca mais serei.


aprendi?
não transcendi.
é outra coisa, só mudei o verso 
desmontei a rima  
(acabei com o clima) 

não é regressão,
não é nada disso, 
só mudei meu verso 

mudei 

rabisquei versos que 
(talvez)
nunca mais serei.